Dicas e cuidados essenciais para promover o bem-estar em família

A vida mudou. Isso é um fato. O enfrentamento à pandemia da Covid-19 estabeleceu protocolos que devem perdurar por um tempo ainda indeterminado. As exigências estão por toda a parte e o cumprimento das novas regras são essenciais para conter o avanço do vírus. Acontece que o momento de insegurança, associado ao isolamento social, afeta a saúde emocional de todos e, por isso, ter momentos de acolhimento e distração se tornaram fundamentais. Além disso, conhecer e cumprir os protocolos estabelecidos geram mais segurança para que a vida possa seguir em frente.

Os protocolos adotados na escola foram criados após um amplo mapeamento do locais de risco, identificando aqueles mais sujeitos à aglomeração e, consequentemente, possíveis contaminações. Com base nesse estudo, foram identificados os perigos específicos de cada área e traçadas as medidas de comunicação, higiene e distanciamento de cada setor. Com todo o projeto implantado e as informações amplamente divulgadas junto aos funcionários, o cuidado agora é com o auxílio aos alunos para que eles saibam lidar e se portar diante deste novo normal.

Saiba mais sobre as medidas adotadas pelo GGE na Volta às Aulas:

A importância do apoio familiar

“A principal dica é que a família trabalhe junto com a escola reforçando os protocolos e os cuidados. O ambiente da escola é extremamente controlado, então, os alunos aprendem os protocolos desse novo normal e levam para fora da escola também. A principal dica é essa: fazer com que a família trabalhe junto para que todos tenham a mesma sintonia”, afirma a engenheira, consultora especialista em gestão de risco e membro do comitê que elaborou os protocolos implantados no Colégio GGE, Ângela Lima.

Segundo a gestora pedagógica da unidade GGE de Boa Viagem, Nayana Paiva, é importante ressaltar que, neste momento de enfrentamento à pandemia, a orientação e a obrigatoriedade é o distanciamento físico, mas, por outro lado, é preciso uma aproximação emocional ainda maior, inclusive no período de férias, quando as crianças estão em casa e ainda com restrições.

“Este é um momento onde são necessárias mais conversas, mais programações em família, com estímulo à cultura, leitura e filmes. É preciso haver a busca de momentos de conforto que levem para um outro cenário, mostrando que aquela rotina de antes foi interrompida, mas que deve retornar”, explica.

Para isso, neste momento, o núcleo familiar entra com ênfase porque crianças estão tendo mais convivência e pode tornar o momento mais propício possível para se conhecer melhor e para que todos entendam que aquele núcleo é de extrema importância. “Cineminha em família, opções que lancem mão da estratégia virtual para unir os amigos, culinária em casa… É a chance de se criar momentos que reforcem a construção dos vínculos”, orienta Nayana.

Atenção ao comportamento e atitudes

As inseguranças trazidas junto com o isolamento social e com o cumprimento de protocolos podem, inclusive, gerar alguns problemas emocionais. Estar alerta aos comportamentos e as atitudes dos filhos neste momento é importante para ajudá-los a superar os problemas o quanto antes. De acordo com a professora de alfabetização emocional do Colégio GGE, Caroline Costa, os principais sinais são: inquietação, demonstração de raiva, crises de choro, excesso ou falta de apetite, excesso ou falta de sono, apatia, ansiedade e medos. “Por isso, os pais devem observar e não chamar a atenção ou ficar indiferentes. A hora é de acolhimento e escuta”, enfatiza.

Segundo Caroline, é preciso ter em mente que a pandemia pegou a todos de surpresa e, por isso, é normal nos sentirmos muitas vezes angustiados, ansiosos, com medo. “Porém, precisamos nos lembrar que é necessário termos sempre um repertório de coisas das quais gostamos de fazer para passar por esses momentos da melhor maneira possível: ouvir uma música, dançar, ler um livro, meditar, conversar com pessoas que confiamos, assistir um filme… O importante é não deixarmos as emoções desagradáveis tomarem conta do nosso corpo”, diz.

Além disso, manter um quadro de rotina é essencial.

“Ter hora para dormir, acordar, se alimentar, estudar e ter momentos de lazer são hábitos muito importantes para o bem-estar. Assim, é possível observar o dia a dia e o que pode ser melhorado. Também é preciso ter cuidado com o excesso de informações, que muitas vezes contém fake news, que geram ansiedade”, pontua Caroline Costa.

Atividades recomendadas para crianças e adolescentes

Por outro lado, o isolamento pode ser aproveitado de forma a se buscar uma maior conexão com as pessoas do núcleo familiar. Por isso, atividades que promovam interação entre os familiares são uma boa opção. Listamos abaixo, algumas dicas que podem ser compartilhadas neste momento em que o isolamento social ainda se faz necessário. É se organizar e curtir a família!

  • Estabelecer e montar um quadro de rotina junto com a família

  • Ver álbum de fotos e contar histórias sobre elas

  • Ler livros e montar peças de teatro para apresentar a família

  • Fazer massinha de modelar com itens alimentícios

  • Sessão cinema com a família

  • Jogos de tabuleiro

  • Mímica

  • Ir para cozinha com um adulto e aprender receitas

  • Montar quebra-cabeças

  • Just dance (brincadeira onde se imita a coreografia de alguma música)

  • Conversar por vídeo-chamada com as pessoas que ama

  • Meditar

  • Construir brinquedos com lixo reciclável

  • Atividades físicas para liberação de serotonina

  • Repensar o uso da tecnologia, usando sempre ao seu favor

Confira também os treinos preparados para você e sua família realizarem em casa

Notícias Relacionadas

0 respostas

Deixe uma Resposta

Deseja deixar seu comentário?
Comente e participe! Sua opinião é muito importante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.