Conheça o papel educativo da horta na escola

Você acha que é possível ter uma horta na escola? Para muitos essa pode ser uma ideia sem sentido, mas, a prática pode trazer muitos ganhos para o desenvolvimento de habilidades alimentares da criança. No Colégio GGE, a proposta tem contado com o envolvimento das crianças e das famílias. Dentro do programa de Educação Nutricional voltada para a Educação Infantil, as crianças aprendem de onde vem os alimentos, como cuidar para fazer a colheita no tempo certo e como podem preservar e respeitar a natureza como a fonte da nossa alimentação. Assim, são abordados tanto a parte da educação nutricional quanto da educação ambiental.

Trabalhamos a socialização, o compartilhar, o cuidar, a valorização do alimento e o desperdício”, conta a nutricionista infantil e professora de Educação nutricional do GGE, Nancy Pernambuco. Dentro do projeto, a escola promoveu um encontro onde cada criança, junto com seus pais, pôde plantar sua sementinha na escola. “Nossa proposta foi dar às crianças a possibilidade de iniciar sua hortinha caseira. Elas aprenderam a como plantar e cuidar delas em casa. Tivemos lindos retornos, exemplos maravilhosos de cuidado e carinho com aquele alimento que foi plantado”, relata Nancy Pernambuco.

Esta prática é, inclusive, uma ótima oportunidade para este momento de isolamento social. Em qualquer época, o cuidado com a alimentação é essencial. Em tempos de pandemia, ter uma alimentação balanceada é muito importante para a saúde de crianças e adultos. Isso inclui tanto a ingestão de frutas e verduras, quanto a elaboração de lanches que contribuam para estimular a interação das crianças com a preparação e consumo dos alimentos em casa. Por que não começar cultivando alguns desses nutrientes em uma hortinha caseira, dando a oportunidade das crianças conhecerem melhor os alimentos?

O envolvimento dos pais é um fator primordial para o sucesso do projeto no ambiente escolar, já que eles podem incentivar as crianças a cuidar e a ter a hortinha em suas casas, contribuindo para a introdução alimentar delas.

Os pequenos amam comer o que eles mesmos preparam ou eles mesmas plantaram. Então, dentro da cadeira de educação nutricional, estou incluindo aulas de como fazer a hortinha em casa”, afirma Nancy.

É importante ressaltar que desde a introdução alimentar complementar, aos seis meses de idade, as crianças devem seguir uma alimentação saudável, composta por muitas frutas, verduras, legumes, proteínas e alimentos regionais que façam parte do dia a dia daquela família. Ter uma alimentação saudável é uma questão de hábito. E o costume começa pelos pais. Toda criança tem nos pais os espelhos, inclusive nos hábitos alimentares. Introduzir alimentos balanceados e saudáveis na rotina deve ser uma prioridade.

 “Os pais são os primeiros influenciadores das crianças, então, é indicado que toda a família siga uma vida saudável junta. Alimentação saudável é uma alimentação que seja balanceada e equilibrada em macro e micro-nutrientes, e que tenha como base os alimentos com alto valor nutricional”, lembra a nutricionista infantil, Nancy Pernambuco.

Notícias Relacionadas

0 respostas

Deixe uma Resposta

Deseja deixar seu comentário?
Comente e participe! Sua opinião é muito importante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.