A importância da verificação da aprendizagem

A pandemia da Covid-19 impôs mudanças no sistema educacional de todo o mundo. Em Pernambuco, as aulas presenciais foram suspensas desde março. Nesse momento, o Colégio GGE partiu na frente e criou, em tempo recorde, o Programa de Assistência Pedagógica GGE (PAP), que envolveu mais de uma centena de profissionais, entre professores, coordenadores e gestores, que foram treinados por uma equipe de apoio e começaram a interagir todos os dias, online e ao vivo, com nossos alunos.

Passada essa primeira etapa, que antecipou e revisou conteúdos, os estudantes já estavam habituados às ferramentas e prontos para mais um desafio: assistir a aulas inéditas ministradas pela equipe de docentes que é referência em Pernambuco. Nesse novo momento do PAP, iniciado a partir de 4 de maio, a rotina de estudos passou a valer tanto quanto aulas presenciais, e, por isso, o GGE preparou uma estrutura para ajudar pais e alunos no que fosse preciso, incluindo a oferta de um cardápio de atividades eletivas do projeto Outbox Learning.

Agora, com a proximidade da retomada das aulas presenciais, uma nova fase começa a ser posta em prática, cuja etapa primordial neste processo é a verificação da aprendizagem dos alunos durante o período de aulas remotas.

O objetivo é identificar como o conteúdo foi absorvido e onde estão as dificuldades dos estudantes. Com este diagnóstico, a escola poderá traçar o plano de abordagem do conteúdo e a necessidade de revisão dos assuntos no retorno das aulas no formato presencial.

A ferramenta escolhida pelo Colégio GGE para avaliar a aprendizagem remota das turmas do Ensino Fundamental 2 e Médio foi o Exame de Verificação de Aprendizagem (EVA). A avaliação já vem sendo utilizada pelo colégio há anos e foi adaptada para o formato online, com questões criadas por uma banca de professores do Sistema GGE de Ensino, baseadas nos exercícios de nosso material didático. Através dessa avaliação, foi possível acompanhar o desempenho dos alunos em cada conteúdo programático previsto no planejamento bimestral, bem como oferecer relatórios de desempenho individuais, consolidados por turma, série, unidade de ensino, disciplina e professor.

Pais e alunos têm acesso a relatórios completos de desempenho do estudante através do Sistema de Gestão Pedagógica V4 e recebem um plano de estudos personalizado, sugerido a partir de necessidades específicas identificadas através de cada exame. O aluno ainda consegue visualizar vídeos com a resolução das questões em que encontrou dificuldade durante a realização do simulado.

“Em geral, nas escolas, os professores elaboram provas das disciplinas ou simulados e entregam a pontuação final. O que acontecia é que os boletins eram entregues e ficava uma grande interrogação para a família sobre o que o aluno aprendeu e o que ele não aprendeu. Os professores também ficavam com essa lacuna sem ter um diagnóstico do aprendizado. Foi daí que decidimos dar início ao EVA. As questões são elaboradas por uma banca do Sistema GGE de Ensino, permitindo uma análise mais fiel e detalhada do resultado”, afirma o sócio-diretor do Colégio GGE, Herbetes de Hollanda.

Com a análise dos resultados do EVA, as escolas podem enxergar cada professor, cada aluno e cada disciplina de forma mais detalhada, proporcionando um melhor planejamento das ações para melhoria do aprendizado.

“O EVA funciona como uma radiografia. Um relatório individual orientando o passo a passo do que o aluno deve fazer para melhorar naqueles conteúdos que já foram apresentados. Para a equipe, funciona como um raio-x do desempenho das turmas. A escola passa a ter um gerenciamento maior de como vai o aprendizado do aluno em todas as disciplinas“, explica, Herbetes de Hollanda.

Nesse momento de isolamento social, a aplicação do exame foi automatizada e, ao final do primeiro volume do material didático do Sistema GGE de Ensino, os alunos do Ensino Fundamental 2 e Médio foram submetidos ao exame.

“O mais interessante disso é que este é um exame de verificação de aprendizagem. Não é uma prova, não é um simulado onde sai uma nota. O resultado é de fato um diagnóstico. O aluno recebe um plano de estudos de acordo com as lacunas que ficaram do aprendizado, mostrando por onde ele deve começar a estudar e se dedicar. Se na pandemia as escolas começaram a falar em diagnose do aprendizado, o GGE já pratica isso há um bom tempo“, afirma Tayguara Velozo, gestor pedagógico do GGE.

Ao ter acesso ao resultado do EVA, os pais e alunos também podem conferir o gabarito e o vídeo explicativo com a resolução das questões incorretas.

Foi justamente essa resolução das questões e o plano de estudos individual que chamou a atenção de Emanuelle Monteiro. Ela matriculou este ano a filha Manuella Monteiro, no 6º ano do Colégio GGE. Por este motivo, quando a suspensão das aulas foi decretada, a família passou por um período de bastante apreensão.

“Em casa, ela não tinha muito acesso à internet e a tecnologias, mas, para nossa surpresa e alegria, se adaptou muito bem ao PAP. Agora, tivemos mais uma surpresa com o EVA porque realmente acreditamos que não há aprendizagem sem verificação. Sabemos da importância de ter esse retorno e desse esforço conjunto. Principalmente neste momento, esta é uma oportunidade de identificarmos onde estamos acertando e errando. Esse retorno traz mais segurança. Ela errou poucas questões, mas, a resolução a ajudou a entender o que tinha errado e como poderia fazer o certo“, relata.

Utilizar o EVA para entender melhor onde estão as dificuldades da filha é uma prática que Fabiana Barbosa já adota há alguns anos. Com a filha Anne Gabrielle cursando o 9º ano, Fabiana conta que já criou o hábito de, a cada realização do exame, buscar as informações e refazer os exercícios.

Saiba mais sobre o EVA

Neste período de isolamento social cheio de incertezas, o EVA se torna uma ferramenta eficiente para se realizar a diagnose tão necessária para a retomada das aulas.

“A diagnose gerada pelo nosso exame é com base em todo o conteúdo que já foi estudado. Então, é justamente o que as escolas precisarão nesse momento de retorno às aulas no pós-pandemia. Muitas vezes, no cenário de isolamento, o aluno pode estar entrando em uma zona de conforto, pode estar disperso ou com algum problema pessoal que reflete no estudo, então, é um diagnóstico importante para o momento. Uma oportunidade de reconhecer onde está o erro“, ressalta o gestor de Ensino Médio da unidade GGE Boa Viagem, Glaumo de Sá Leitão.

Segundo ele, neste momento, a principal preocupação era não só trazer a informação dos resultados para os alunos, como também deixar os pais treinados para entender o funcionamento.

“Muitos pais ficaram surpresos por conhecer melhor a ferramenta e a rotina do aluno como um todo“, relata Glaumo.

De acordo com o sócio-diretor do Colégio GGE , Herbetes de Hollanda, agora na fase da retomada das aulas, é preciso entender como o aluno se encontra, tanto do ponto de vista pedagógico quanto do lado emocional.

“Oferecemos os conteúdos, mas houve realidades diferentes. Então, alunos têm diferentes níveis de aprendizagem. Temos que identificar onde estão as lacunas para sermos cirúrgicos na retomada com revisões e complementos do ensino“, conclui.

Notícias Relacionadas

0 respostas

Deixe uma Resposta

Deseja deixar seu comentário?
Comente e participe! Sua opinião é muito importante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.