Colégio GGE – Recife-PE

Home  »   Artigos  »  Pais precisam saber  »  Detalhe

O Jovem e a Escolha Profissional

Uma das primeiras e grandes decisões que o jovem precisa tomar ao adentrar a vida adulta é a escolha profissional. Esse costuma ser um momento angustiante e traz diversos questionamentos. Seguir uma carreira que trará retorno financeiro ou a que trará maior realização pessoal? Uma ocupação consolidada e valorizada pelo mercado de trabalho ou arriscar-se em um ramo que ainda engatinha?

Durante o final do ensino médio a ansiedade é agravada. Se alguns estudantes se mostram maduros para realizar a escolha, outros precisam de auxílio nesse processo. “Até esse momento, muito provavelmente, todo o final de ano, o jovem sabia para onde iria no início do próximo. Agora, não mais”, explica Marina Segnini, psicóloga e orientadora profissional.

O trabalho ocupa um lugar importante na vida da pessoa adulta, pois lhe confere uma identidade e um papel social. No entanto, um dos aspectos geradores de ansiedade nesse momento é a falsa ideia de que se escolhe uma profissão para o resto da vida. Silvio Bock, doutor em Educação diz “a ideia de que você escolhe, naquela ocasião, como será o resto da sua vida traz uma responsabilidade irreal. É uma decisão grande, mas ela é apenas o primeiro passo que será seguido de outras escolhas tão importantes quanto”.

Quando o estudante considera alguns pontos, a probabilidade é que a escolha seja mais assertiva. Deve-se levar em consideração o retorno financeiro e o mercado de trabalho, porém, a escolha madura leva em consideração também outros aspectos da vida, como o que sente que gostaria de estudar, de ser e de fazer.

A escola, por sua vez, também possui um papel importante na orientação profissional de seus alunos. Deve estimular a busca de informação sobre o mundo do trabalho e incentivar a reflexão pessoal sobre a escolha ocupacional e não apenas as vésperas do vestibular. O Contexto familiar é outro elemento que costuma pesar na decisão, já que os jovens são diretamente influenciados pelas expectativas depositadas pelos pais. O apoio das famílias nesse momento é essencial, mas é preciso não deixar que projeções, influências e expectativas alheias se tornem a única referência do jovem. Este precisa ter a consciência desses desejos, questioná-los e refleti-los.

Quando um jovem apresenta uma ideia de graduação ou profissão, os pais devem incentivar a busca por maior informação sobre a área. Inclusive, podem pesquisar juntos, transformando esse momento em algo também prazeroso.

E se, terminado o Ensino Médio, o estudante continuar indeciso? Cursinho é uma opção? Os especialistas avisam: o objetivo do cursinho é preparar o indivíduo para as provas do vestibular, reforçando o aprendizado dos conteúdos, assim como adquirir métodos para realizar provas, porém não auxilia os indecisos. Incentive o seu filho a pesquisar e retirar suas dúvidas!

Texto adaptado pelo SOEP

Enviar um comentário